Linux completa 28 anos de existência

Linus Torvalds, o desenvolvedor de kernel Linux, não deixou a data passar em branco. Ele aproveitou o lançamento do Linux 5.3-rc6 para parabenizar o Linux em seu aniversário. Neste domingo, 25 de agosto, 28 anos atrás, ele lançou a primeira versão. Desde então, muita coisa aconteceu. Parte do que ele publicou em sua circular semanal foi uma cópia da publicação que ele fez em 1991, provavelmente porque não houve notícias mais importantes ??para serem citadas na última semana. Portanto, o Kernel 5.3-rc6 chega celebrando o 28º aniversário do Linux.

Dia 25 de agosto de 2019 foi o dia de festa para a comunidade do código aberto e software livre. O Linux completou nesta data, nada menos que 28 anos. E parece que foi ontem que surgiu o sistema operacional do pinguim. O núcleo que revolucionou a computação chega a surpreendentes 28 anos.

Porém, nem todos os fãs de software livre consideram esta a data oficial do aniversário. Para uma boa parte da comunidade envolvida com o Linux, a data oficial considerada é a do primeiro lançamento público do código (protótipo). E ísso só ocorreu em 5 de outubro de 1991. Então, há esta divisão em relação a qual seria a verdadeira data de aniversário do kernel.

Portanto, 25 de agosto é o dia em que, em 1991, um estudante universitário finlandês chamado Linus Torvalds tirou boa parte do seu tempo em sua mesa para anunciar seu sistema operacional “passatempo” ao grupo de notícias world/comp.os.minix:

Eu estou fazendo um sistema operacional (livre) (apenas um hobby, não será grande e profissional como o gnu) para 386 (486) clones AT. Isso vem fermentando desde abril e está começando a ficar pronto. Eu gostaria de qualquer feedback sobre coisas que as pessoas gostam/não gostam no minix, como o meu sistema operacional se parece um pouco mesmo layout físico do sistema de arquivos (devido a razões práticas), entre outras coisas.

Cerca de 28 gloriosos anos depois e esse “passatempo” agora fortalece o mundo! De bolsas de valores para outdoors para satélites e smartphones: o Linux está em toda parte.

Porém, o Linux é muito mais do que código. É o coração pulsante do movimento de código aberto, animando a colaboração e a cooperação entre pessoas com base na ideia de que a tecnologia não deve ser apenas boa, mas também fazer o bem. Vida longa ao Linux.

Veja 14 coisas que você talvez não saiba sobre o Linux

1 – O Linux não é muito útil sozinho, então as pessoas começaram a criar distribuições Linux para agregar o software do usuário a ele, torná-lo utilizável e mais fácil de instalar. A primeira distribuição Linux foi Softlanding Linux System (SLS), lançada pela primeira vez em 1992 e usando o kernel Linux .96p4.

Você poderia comprá-lo em disquetes de 5,25 “ou 3,5”, ou CD-ROM se você fosse de alta tecnologia. Se você quisesse uma GUI, precisava de pelo menos 8MB de RAM.

2 – SLS não durou, mas influenciou o Slackware Linux, que foi lançado em 1993 e ainda está em desenvolvimento hoje. O Slackware é a mais antiga distribuição Linux sobrevivente e comemorou seu 26º aniversário em 17 de julho deste ano.

3 – O Linux possui a maior base de instalação de qualquer sistema operacional de uso geral. Ele alimenta tudo, de todos os 500 principais supercomputadores a telefones Android, Chromebooks e todos os tipos de dispositivos incorporados e coisas como os leitores de e-books Kindle e televisores inteligentes. (Também o laptop usado para escrever este post.)

4 – Quando Linus anunciou o Linux, ele não anunciou o Linux. Ainda não foi nomeado, ele apenas disse “um sistema operacional livre” e que se assemelhava ao Minix. Um pouco mais tarde, o nome do Linux seria “Freax”, uma combinação de “livre”, “esquisito” e “x”.

5 – Uma vez que tinha um nome, então as pessoas tinham que descobrir como pronunciá-lo. O próprio Linus forneceu um arquivo de som pronunciando Linux, e é pronunciado (aproximadamente) Leenucks.

6 – É um pouco pesado desde 1991. O primeiro lançamento do Linux pesou menos de 1MB, não compactado. O kernel estável mais recente pesa cerca de 103MB comprimido, 946MB não compactado. Para ser justo, faz muito mais agora do que em 1991.

7 – O Linux não foi inicialmente licenciado sob a GNU General Public License (GPL). A primeira versão incluiu uma linguagem sobre não permitir a redistribuição por uma taxa. A primeira versão licenciada sob a GPLv2 foi de 0,99 em dezembro de 1992. Observe que esta é apenas a GPLv2.

8 – Você pode perceber que há muita escolha quando se trata de Linux. Um monte de escolha. De acordo com o site Distrowatch, houve mais de 850 distribuições de Linux registradas no site. Muitos dos quais caíram no esquecimento ao longo dos anos.

O site atualmente lista 260 distribuições Linux “ativas”, que incluem, claro, o Red Hat Enterprise Linux, o Fedora Linux, o CentOS e muitos outros. Se você contasse variantes das principais distribuições, como os Spins do Fedora, os números subiriam substancialmente.

Em um ponto houve até uma distribuição Linux com tema de Hannah Montana. Não, não estamos inventando isso. O mundo é um lugar estranho.

9 – Se você está usando o Linux há algum tempo, você pode se lembrar de ver um display sobre “Bogomips” quando um sistema está inicializando. Bogomips é uma medida do “número de milhões de vezes por segundo que um processador não pode fazer absolutamente nada.

Parece bobo, certo? É, mas eles também são úteis. Linux precisava de um loop de tempo calibrado para a velocidade da máquina”. Continuando, o BogoMips foi criado, mas não é realmente útil para muita coisa, então o nome é um portmanteau de Milhões de Instruções por Segundo (MIPS) e Bogus.Neste dia a maioria dos sistemas inclui telas gráficas de inicialização e não exibe o Bogomips.

10 – Quando você inicializa seu computador, o Linux não é a primeira coisa que roda. Depende de um bootloader para dar o pontapé inicial e, em seguida, entregar as coisas para o sistema operacional para carregar drivers de dispositivos e assumir a operação. As coisas nem sempre eram tão simples como usar um pendrive ou CD-ROM para inicializar o sistema no qual você queria rodar o Linux.

O Linux teve uma sucessão de bootloaders ao longo dos anos, e as coisas percorreram um longo caminho para iniciar os sistemas Linux. O loadloader venerável do Loadlin seria executado a partir do MS-DOS e substituiria o sistema em execução para iniciar o Linux. As primeiras versões do SLS Linux requeriam um disquete de inicialização a cada reinicialização, ou você poderia tentar configurar o LILO manualmente.

Ao longo dos anos, usamos LILO, BootX (para Macs), yaboot (também Macs), a família de carregadores de inicialização SYSLINUX (incluindo bootloaders para inicializar a partir de imagens ISO ou pela rede usando o protocolo PXE) e o GNU Grand Unified. Bootloader (GRUB) versões 1 e 2 e vários outros.

11 – O kernel do Linux costumava ter um sistema de versionamento de versões pares para os kernels estáveis ??e versões ímpares para os kernels de desenvolvimento. Por exemplo, a série de kernel Linux 2.2 era uma série de kernel “estável”, 2.3 era instável. Isso mudou com o kernel 2.6, quando eles começaram a tentar liberar novos kernels mais rapidamente e pararam com longos ciclos de desenvolvimento.

Demorou cerca de três anos para o kernel do Linux chegar a 1.0 e, em seguida, um pouco mais de dois anos para atingir 2.0. Levou 15 anos para que o kernel fosse versionado para 3.0 e menos de cinco antes de um kernel 4.0 ser lançado. O número da versão pula não é muito significativo neste momento, Linus diz: “Eu não leio muito no número”.

12 – O Linux não foi originalmente escrito para ser portátil. Linus mirou no 386 e foi isso. A primeira porta “oficial” foi para os processadores DEC Alpha em 1995. O kernel Linux agora roda em um grande número de CPUs, embora o suporte para o 386 em si tenha sido descartado em 2012.

13 – O Linux possui milhares de contribuintes. Em 2016, a Fundação Linux identificou 13.594 colaboradores entre 2005 e 2016 e contou com mais de 22 milhões de linhas de código no kernel. Isso não leva em conta os contribuidores antes do rastreamento ter começado em 2005.

14 – A maioria dos entusiastas do Linux já ouviu falar do mascote oficial do kernel, o Tux. O que muitas pessoas não sabem é que o Tux teve uma quebra oficial durante o ciclo do kernel 2.6.29 e foi substituído pelo Tuz.

Agora, 28 anos após a primeira versão, o Linux é usado em milhões de dispositivos, desde os sistemas desktop mais famosos, mas também está presente em servidores, nuvens e dispositivos da internet das coisas.

E Você, já utilizou o Linux? Comente abaixo para sabermos a sua opinião. E Não deixe de visitar: https://www.deltaservers.com.br/ para acompanhar todas as nossas novidades.

Font: Ubuntlog/Sempreupdate

Author: Lucas Alves

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.