Chegou o Red Hat Quay 3.1, um registro de contêiner Kubernetes de alta disponibilidade

O Kubernetes nos permite orquestrar contêineres, mas como você monitora suas imagens? É aí que entra o Quay. Ele permite que você mantenha um controle não apenas das imagens, mas também dos detalhes de configuração necessários para instalar e executar um aplicativo completo. Agora, a Red Hat está lançando o Quay 3.1 para permitir que os desenvolvedores espelhem, armazenem, construam e implantem suas imagens com segurança em diversos ambientes empresariais e para alavancar várias novas tecnologias de back-end.

Isso segue a versão de maio do Quay 3.0. Essa versão trouxe suporte para várias arquiteturas, contêineres do Windows e uma imagem baseada no Red Hat Enterprise Linux (RHEL) neste registro de imagem do contêiner.

O mais novo recurso do Quay, que agora está na versão beta, é o espelhamento de repositório. Isso complementa o recurso de replicação geográfica existente e pode ser usado com ele.

A diferença? A replicação geográfica do Quay foi projetada para um registro global compartilhado e reflete todos os dados de back-end de armazenamento. Seu principal caso de uso é acelerar o acesso aos blobs binários das filiais. O espelhamento de repositório reflete o conteúdo entre registros distintos e diferentes. Com isso, você pode sincronizar repositórios na lista de permissões ou um subconjunto de registro de origem no Quay. Isso facilita muito a distribuição de imagens e dados relacionados por meio do Quay.

Especificamente, com o espelhamento de repo, os administradores de sistema podem:

● Sincronize continuamente repositórios de registros de origem externa no Quay (ponto de entrada de conteúdo);
● Espelhe um subconjunto de todo o conteúdo do registro em implantações distribuídas;
● Configure e aplique filtros para sincronizar um subconjunto menor de um repositório usando filtros de tags. Esta capacidade utiliza a ferramenta de contêiner Skopeo. Como o Skopeo se comunica diretamente com os servidores de registro (não é necessário daemon), é adequado para replicação.

O Quay, que começou como um projeto CoreOS, agora está mais integrado ao Red Hat OpenShift, IBM e ao Kubernetes principal do Red Hat. O Operador de configuração do Quay ajuda a implantar e manter o Quay no OpenShift. Graças a isso, pode levar apenas alguns minutos para fazer uma implantação completa do Quay. Assim, os usuários do OpenShift podem se concentrar em seus aplicativos em vez de gerenciar suas imagens. Isso ainda está na Visualização do desenvolvedor e não está pronto para implantação comercial.
 
O Red Hat Quay já suporta uma variedade de back-end de armazenamento para implantações no local e na nuvem, mas também oferece suporte ao AWS S3 Operator de armazenamento definido por software NooBaa. Essa API S3 flexível, leve e escalável também estará disponível no Operador Red Hat Multi-Cloud Object Gateway, como parte do Red Hat OpenShift Container Storage 3, com mais recursos planejados para serem aproveitados em versões futuras do Quay. Isso ajuda a preparar o cenário para permitir que os clientes usem o Red Hat OpenShift Container Storage nas versões atuais e futuras com o Quay.

Com esta versão, você também pode executar o PostgreSQL DBMS no modo de alta disponibilidade no OpenShift usando o Crunchy Data PostgreSQL Operator. Nos dias anteriores, a Red Hat recomendava executar o banco de dados PostgreSQL fora do cluster Kubernetes. Agora, com a tecnologia Kubernetes Operator, você pode executar aplicativos de banco de dados com estado no Kubernetes. Para mais operadores de banco de dados, consulte Operatorhub.io.

O novo Quay também suporta (temporariamente) repositórios congelados ou arquivados. Para fazer isso, o Quay 3.1 apresenta um modo de repositório somente leitura, também conhecido como zonas congeladas. Isso foi desenvolvido para oferecer aos desenvolvedores um controle mais granular sobre seus ambientes em momentos críticos, como congelar determinadas zonas de qualquer alteração imediatamente antes do lançamento da produção.

Olhando para o futuro, a Red Hat integrará o Quay ainda mais profundamente ao OpenShift como a plataforma Kubernetes corporativa mais abrangente do setor. Os recursos a serem incluídos incluem varredura avançada de vulnerabilidades e suporte aprimorado para configurações distribuídas, com várias nuvens e ambientes com falta de ar.

Comente abaixo o que você achou desse artigo, e não deixe de visitarmos para conhecer o nosso novo website.

Visite: https://www.deltaservers.com.br/

Author: Lucas Alves

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.